Categorias
Pecuária

Colheita de soja 2023/24 atinge 84% da área no Brasil, diz consultoria

A colheita da safra de soja 2023/24 alcançou 84% da área cultivada no Brasil, até quinta-feira passada (11), em comparação com 78% uma semana antes e 86% no mesmo período do ano passado (safra 2022/23), segundo levantamento da AgRural. Nesta reta final, o ritmo continua puxado pela colheita gaúcha e do Norte/Nordeste, especialmente da Bahia e do Piauí.

Segundo a AgRural, no Rio Grande do Sul, os produtores aceleraram os trabalhos o máximo possível durante a semana, de olho nas chuvas intensas previstas para o estado. Até o momento, as produtividades são muito boas, comentou.

Milho

Uma rodada de chuvas foi registrada na semana passada em pontos críticos do Paraná, sul de São Paulo e sul de Mato Grosso do Sul, onde a safrinha vem enfrentando dificuldades por causa do calor e da falta de precipitações regulares. “Mas as pancadas, apesar de bem-vindas, não foram tão bem distribuídas. Por isso, o alerta continua ligado, especialmente no oeste do Paraná e no sul de Mato Grosso do Sul”, destacou a AgRural.

Já em Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais, as lavouras se desenvolvem muito bem. “Novas chuvas previstas para a segunda quinzena de abril alimentam a expectativa de boa safra nesses Estados, especialmente nas áreas plantadas mais cedo, que já estarão prontas para a colheita na segunda quinzena de maio”, disse a AgRural.

Categorias
Agricultura

Preços da soja sobem no Brasil; veja cotação de Rondonópolis

mercado brasileiro de soja registrou alta nos preços no final desta quarta-feira (20).

Os produtores em todo o país registraram vários negócios, tentando aproveitar essas altas.

A Bolsa de Chicago foi o que favoreceu o tom positivo.

  • Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 118 para R$ 120.
  • Na região das Missões, a cotação cresceu de R$ 117 para R$ 120 a saca.
  • No Porto de Rio Grande, o preço avançou de R$ 124,50 para R$ 128 a saca.
  • Em Cascavel, no Paraná, a saca valorizou de R$ 115 para R$ 118.
  • No porto de Paranaguá (PR), o preço cresceu de R$ 124 para R$ 127.
  • Em Rondonópolis (MT), a saca aumentou de R$ 111,50 para R$ 113,50.
  • Em Dourados (MS), o preço subiu de R$ 110 para R$ 111 a saca.
  • Já em Rio Verde (GO), a saca subiu de R$ 108 para R$ 110,50.

Soja em Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços mais altos.

Após o banco central americano (Fed) definir a política monetária e divulgar novas previsões para a economia daquele país nos próximos anos, a alta ampliou consideravelmente.

Até a decisão do Fed, um movimento de cobertura por parte de fundos e especuladores e o anúncio de venda de produto americano para a China garantiram a elevação, apesar do cenário fundamental ainda negativo para os preços.

Sem grandes surpresas, o Fed manteve as taxas básicas americanas. Mas elevou significativamente a previsão para o crescimento do PIB americano nos próximos anos, sinalizando uma economia aquecida. Foi o suficiente para impulsionar as cotações da soja.

Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou hoje a venda de 120 mil toneladas de soja por parte dos exportadores privados para destinos não revelados. A informação ajudou nas compras técnicas, em meio ao sentimento contrário de que a demanda vai se deslocando gradualmente para a América do Sul.

Os agentes começam a se posicionar frente ao importante relatório de intenção de plantio nos Estados Unidos, que será divulgado no dia 28 pelo USDA.

Os contratos da soja em grão com entrega em maio fecharam com alta de 24,00 centavos de dólar, ou 2,02%, a US$ 12,09 1/2 por bushel. A posição julho teve cotação de US$ 12,23 1/4 por bushel, com ganho de 23,00 centavos ou 1,90%.

Nos subprodutos, a posição maio do farelo fechou com alta de US$ 8,60 ou 2,57%, a US$ 342,50 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em maio fecharam a 49,00 centavos de dólar, com alta de 0,84 centavo ou 1,72%.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão em queda de 1,09%, sendo negociado a R$ 4,9739 para venda e a R$ 4,9719 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 4,9720 e a máxima de R$ 5,0336.

Categorias
Agricultura

Exportações do complexo soja registraram recorde de volume e receita

Os embarques do complexo soja tiveram avanço de 24,7% em 2023, chegando a 126,818 milhões de toneladas. A informação parte de levantamento da Datagro Grãos. O total compreende:

  • Soja em grão: 101,856 mi de toneladas de soja em grão (+29,4%)
  • Farelo: 22,613 milhões de toneladas (+11,1%)
  • Óleo: 2,349 milhões de toneladas (-9,6%)

Os principais fatores para esse recorde é a grande safra colhida no ano passado pelo Brasil, atualmente estimada em 160,234 mi de toneladas pela consultoria, montante 23% superior à prejudicada temporada anterior.

Além disso, também explicam o cenário de remessas altas partindo do Brasil os seguintes fatores:

  • Perdas expressivas nos Estados Unidos em 2022, com safra irregular pelo quarto ano consecutivo;
  • Avanço das compras pela China após a peste suína africana (PSA) ser contornada;
  • Tensões nas relações políticas entre EUA e China; e
  • Maior competitividade do complexo soja devido à queda no padrão de preços.

Recorde de receita

soja preço cotação pib Chicago dólar

A Datagro aponta que também foi registrado recorde na receita total obtida nas exportações do complexo soja brasileiro em 2023, apesar do forte recuo nos preços médios.

Assim, a receita total foi atualizada para US$ 67,377 bilhões, 10,9% a mais que em 2022, quando foram arrecadados US$ 60,748 bilhões.

A receita do ano passado foi formada por US$ 53,316 bi decorrentes de vendas de soja em grão (+14,7%); US$ 11,507 bi da comercialização de farelo (+11,4%); e US$ 2,554 bi de óleo, o único com recuo ante 2022 (-35,1%).

“Esse extraordinário avanço da receita alcançada pelas vendas externas do setor contribuiu fortemente para impedir o recuo que estava previsto nas exportações globais do país em 2023, que veio refletindo a diminuição no ritmo de crescimento da economia brasileira. Por esse motivo, confirmamos novo recorde na participação do complexo soja na pauta geral de exportações do Brasil”, comenta Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de conteúdo da consultoria

Participação da soja na receita nacional

A receita total das exportações brasileiras em 2023 chegou a US$ 339,673 bi, crescimento de apenas 1,7% em relação ao recorde anterior, de US$ 334,136 bi, registrado em 2022.

Com isso, o setor contribuiu com 19,8%, proporção superior ao recorde de 18,2% de 2022, superando com folga os 16,2% da média de participação dos últimos 10 anos.

Projeções para 2024

Em termos de volume, a Datagro Grãos estima saídas externas do complexo soja brasileiro em 114,900 mi de t em 2024, 9,4% aquém de 2023. Ainda assim, caso se concretize, seria o segundo maior da história:

  • Soja em grão: 88,8 mi de t (-12,8%);
  • Farelo: 24 mi de t (+6,1%); e
  • Óleo: 2,1 mi de t (-10,6%)

No que diz respeito à receita, os números iniciais da consultoria apontam para US$ 54,480 bi, o que representaria recuo de 19,1% ante 2023: US$ 41,736 bi de soja em grão (-21,7%); US$ 10,560 bi de farelo de soja (-8,2%); e US$ 2,184 bi provenientes do óleo de soja (-14,5%).

“Essa retração na receita para 2024 tende a resultar também em redução na participação das exportações do setor soja na pauta geral do Brasil, de 19,8% de 2023 para 17,0%. Apesar de bem menor, essa nova taxa ainda seguiria muito superior aos 16,2% da média para os últimos 10 anos, sendo a menor desde os 16,8% de 2020”, diz França Junior.

Categorias
Agricultura

Agro ’empurra’ PIB brasileiro, que cresce 3% em 2023, diz prévia da FGV

A economia brasileira cresceu 3% em 2023, impulsionada pelo forte desempenho do setor agropecuário, de acordo com a prévia do PIB divulgada nesta segunda-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

O setor agropecuário, que representa 6% do PIB do país, teve um salto de 15,8% no ano passado, o que representou 30% do crescimento total do PIB.

soja foi o principal destaque do setor, com um aumento de 25,3% na produção. A região Centro-Sul do país se destacou na produção da oleaginosa.

“Esse contexto mostra forte concentração setorial e regional e evidencia que o crescimento econômico não foi sentido de modo uniforme no país”, pondera a coordenadora da pesquisa, Juliana Trece.

Ainda segundo a pesquisadora, “o efeito do excelente desempenho agropecuário no ano se estendeu para outras atividades econômicas, o que potencializou sua influência na economia”.

Outro fator que contribuiu para o crescimento do PIB foram as exportações, com alta de 9,5% no ano passado. 

O principal destaque foram as vendas para outros países de produtos agropecuários, que cresceram 25,3% no ano. Produtos da indústria extrativa mineral, como minério de ferro e petróleo, também tiveram desempenho expressivo no ano, com alta de 16,7%.

Setores

O setor de serviços apresentou alta de 2,5% em 2023, em um desempenho considerado “crescimento generalizado”. Já a indústria brasileira terminou o ano com alta de 1,4%.

O Monitor do PIB estima que o consumo das famílias cresceu 3,2% no ano passado. Dentro desse segmento, se destacam positivamente os setores de serviços e de produtos não duráveis (itens de consumo imediato ou com pouco tempo de duração). Em valores monetários, o consumo das famílias ficou em R$ 6,9 trilhões, o maior já registrado.


Desaceleração

De acordo com o Ibre, a economia teve desempenho positivo de 0,6% em dezembro ante o mês anterior e de 2,1% em relação a dezembro de 2022. Em janela de tempo trimestral, a atividade econômica no quarto trimestre apresentou alta de 0,1% na comparação com o terceiro trimestre e de 2,3% diante do quatro trimestre de 2022.

De acordo com a coordenadora da pesquisa, Juliana Trece, o último trimestre do ano passado ficou marcado por uma “clara tendência de desaceleração”, porém, segundo ela, o resultado mostra resiliência da economia apesar das fragilidades de um crescimento anual concentrado e bastante influenciado por commodities (matérias primas com preços ditados pelo mercado internacional).


Categorias
Agricultura

Soja: Conab reduz projeção de safra 2023/24 para 149,4 milhões de toneladas

A produção brasileira de soja deverá totalizar 149,4 milhões de toneladas na temporada 2023/24, com recuo de 3,4% na comparação com a temporada anterior, quando foram colhidas 154,6 milhões de toneladas. A projeção faz parte do 5º levantamento de acompanhamento da safra brasileira de grãos, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). No relatório anterior, a previsão era de safra de 155,3 milhões de toneladas. Houve um corte de 3,8% entre um mês e outro.

A Conab trabalha com uma área de 45,088 milhões de hectares, com elevação de 2,3% sobre o ano anterior, quando foram cultivados 44,080 milhões de hectares. A produtividade está estimada em 3.314 quilos por hectare. Em 2022/23, o rendimento ficou em 3.507 quilos por hectare, o que representa uma retração de 5,5%.

Se for considerada a expectativa inicial desta temporada, a quebra chega a 7,8%, uma vez que a Conab estimava uma safra de 162 milhões de toneladas. O atraso do início das chuvas nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Matopiba, seguido por chuvas irregulares e mal distribuídas, com registros de períodos de veranicos superiores a 20 dias, além das altas temperaturas, estão refletindo negativamente no desempenho das lavouras.

Com a atualização na estimativa produção da soja, as exportações também devem ser reduzidas em 4,29 milhões de toneladas, saindo de 98,45 milhões de toneladas para 94,16 milhões de toneladas.

Além disso, a Companhia realizou ajuste estatístico na quantidade da oleaginosa esmagada, totalizando aproximadamente 53,36 milhões de toneladas. Cabe registrar que as perdas da soja no Brasil estão sendo compensadas pela recuperação da safra argentina, semelhante ao ocorrido no Rio Grande do Sul.

Categorias
Agricultura

Soja tem ligeira alta em Chicago nesta 6ª, mas caminha para quinta semana consecutiva de baixas

O mercado da soja dá sequência as pequenas altas na Bolsa de Chicago na manhã desta sexta-feira (19), porém, ainda busca definir sua direção. Assim, perto de 6h40 (horário de Brasília), os futuros da oleaginosa subiam entre 5,50 e 6,50 pontos, com o março sendo cotado a US$ 12,20 e o maio a US$ 12,29 por bushel. Na sessão anterior, o março chegou a testar os US$ 12,00, mas retomou o fôlego no final da sessão. 

Os preços seguem refletindo as incertezas que dominam a safra 2023/24 do Brasil – com colheitas em andamento, lavouras ainda se desenvolvendo e o clima permanecendo bastante irregular – as boas projeções para a produção da Argentina, ao mesmo tempo em que a demanda segue presente, porém, mais limitada. 

Assim, apesar das altas desta sexta, o mercado da soja na CBOT caminha para sua quinta semana de baixas consecutivas, tendo se aproximado das mínimas de dois anos. 

E embora a perspectiva dos produtores seja de uma safra brasileira bem menor do que as estimativas dos orgãos governamentais, a pressão sobre as cotações ainda não se dissipou, em especial pelo bom caminhar da safra argentina. 

Ainda nesta sexta, o mercado espera pelo novos números das vendas semanais para exportação a serem reportados pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Por:

 Carla Mendes | Instagram @jornalistacarlamendes

Fonte:

 Notícias Agrícolas

Categorias
Agricultura

Embrapa desenvolve tecnologia para reduzir perdas na soja devido à estiagem

Embrapa, em parceria com a empresa brasileira NOOA, desenvolveu uma tecnologia inovadora, o AURAS, para reduzir as perdas na produção de soja causadas pela estiagem. Essa solução utiliza a cepa CMAA 1363, a única identificada pela Embrapa com as características essenciais para codificar a tolerância à seca.

O bioativo AURAS oferece diversos mecanismos de proteção na cultura da soja, promovendo uma retomada mais rápida do ciclo produtivo após eventos de estresse.

Entre os benefícios estão a maior estabilidade do ambiente biológico do solo, melhor arranque e estabelecimento da cultura, exploração de água em regiões mais profundas do solo, conservação de água na planta e desenvolvimento mais rápido das lavouras após o retorno das condições ideais.

Marcelo Soares, Diretor de P&D da NOOA, destaca a importância da seleção cuidadosa da cepa de bacillus aryabhattai, ressaltando que apenas a cepa CMAA 1363 apresentou as características necessárias para conferir tolerância à seca. A tecnologia AURAS foi desenvolvida a partir do isolamento de bactérias da raiz de um cacto, o mandacaru, na caatinga, iniciando-se em 2009.

Os mecanismos de proteção do AURAS são divididos em quatro processos: desenvolvimento radicular, produção de substâncias que protegem e hidratam o sistema radicular, retenção de água na planta e produção de enzimas antioxidantes. Esses processos visam ativar os genes das plantas para lidar com altas temperaturas e longos períodos de estiagem.

O AURAS contribui para o equilíbrio da lavoura, reduzindo o acúmulo de componentes tóxicos produzidos pelas plantas sob estresse. Essa inovação promete fortalecer a agricultura enfrentando os desafios climáticos, proporcionando maior segurança e eficiência no ambiente de produção de soja.

Categorias
Pecuária

Colheita recorde de soja no Brasil impulsiona produção mundial em 2022/23

O ano agrícola de 2022/23 testemunhou uma safra recorde de soja no Brasil, contribuindo significativamente para a produção mundial, conforme destacado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Apesar de um período de colheita mais prolongado e desafios enfrentados durante a coleta, a produtividade no Brasil alcançou patamares expressivos.

Pesquisadores do Cepea observaram que o notável avanço na colheita brasileira compensou as menores ofertas provenientes dos Estados Unidos e da Argentina. Essa contribuição brasileira foi fundamental para assegurar uma produção global recorde de soja na safra 2022/23, atingindo a marca de 374,39 milhões de toneladas, conforme dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

O impacto do desempenho na produção global refletiu nas cotações da soja ao longo do ano, pressionando para baixo em comparação com o ano anterior. A abundância na oferta mundial, impulsionada principalmente pelo desempenho excepcional da colheita brasileira, teve influência direta nos preços da commodity.

Categorias
Agricultura

Mapa estuda medidas diante registro de produtividade de 10 sc/ha de soja em MT

Medidas que visam auxiliar os produtores de soja em Mato Grosso diante da baixa produtividade neste início de colheita da safra 2023/24 serão estudadas pelo Ministério da Agricultura e Pecuária(Mapa). A informação é do ministro Carlos Fávaro. No estado, em algumas propriedades, a colheita da oleaginosa iniciou cerca de 30 dias antes do previsto e a produtividade média registrada segundo relatos é entre 10 e 20 sacas por hectare.

O clima seco e a ausência de chuvas regulares, provocados pelo efeito do fenômeno El Niño, em Mato Grosso não só atrasou os trabalhos de semeadura da soja, como também reduziu o ciclo de maturação da cultura.

Como o Canal Rural Mato Grosso já comentou, há registros de colheita da soja 2023/24 desde meados do mês de novembro. O início dos trabalhos de retirada dos grãos das lavouras no estado costuma ocorrer entre os dias 20 e 31 de dezembro, dependendo da região produtora.

Em vídeo, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, classifica a situação vista em Mato Grosso como “grave” e “muito preocupante”.

“Vamos imediatamente chamar as nossas equipes técnicas e iniciar os debates e trabalhos com as autoridades mato-grossenses e com os produtores para que possamos tomar medidas excepcionais. Um momento de excepcionalidade reque excepcionalidade. E, é isso que vamos estar fazendo para minimizar os impactos a esses produtores e para a economia do estado”.

Auxílio para outros estados

Ainda de acordo com o ministro Carlos Fávaro, a pasta está atenta aos demais estados diante as suas situações climáticas.

“É determinação do presidente Lula para não deixar os nossos produtores passar por maiores dificuldades em função das mudanças climáticas”, salienta o ministro.

Autorização de plantio da soja até janeiro

Na última semana o Mapa e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) autorizaram a prolongação do plantio de soja em Mato Grosso até o dia 13 de janeiro de 2024. A decisão atende a um pedido do setor produtivo do estado diante das adversidades climáticas causadas pelo El Niño.

A semeadura da oleaginosa no estado encerraria no próximo dia 24 de dezembro.

Levantamento realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), divulgado no começo de dezembro, aponta para a safra 2023/24 de soja no estado uma área de 12,131 milhões de hectares. A extensão é inferior às 12,222 milhões previstas em novembro para a temporada, contudo levemente acima ainda dos 12,122 milhões de hectares da safra 2022/23.

O recuo na área na variação mensal, explica o Imea, é “pautado pelo alto percentual de replantio apontado pelo levantamento com os agentes de mercado, estimado em 5,04% em relação à área total prevista para o estado”.

Conforme o instituto, diante dos últimos meses o clima estar mais quente, chegando a registrar mais de 60 graus no solo, e os longos períodos sem chuvas em vários municípios de Mato Grosso, em decorrência ao El Niño, o desenvolvimento das lavouras tem sido impactado e, em alguns talhões, já é observado o encurtamento do ciclo da soja. Fator este que pode prejudicar o potencial produtivo da planta.

Categorias
Agricultura

Soja: Datagro Grãos diz que produtor terá lucro, mas inferior a 2021 e 2022

Com o plantio da safra brasileira 2023/24 de soja em reta final, a Datagro Grãos revisou seu levantamento sobre a renda dos produtores do país para o ano que vem.

O resultado ainda sinaliza mais uma temporada remuneradora para a maioria, embora possivelmente aquém dos excelentes desempenhos de 2021 e 2022, e até mesmo do razoável ano de 2023.

De acordo com a empresa, a combinação das variáveis que determinam a lucratividade bruta, definida através da relação entre a receita obtida e o custo de produção, deve pender mais uma vez para o lado positivo.

“Mas a amplitude irá variar de estado para estado, a depender dos resultados obtidos em termos de produtividade média, sendo decisivo em um ano de irregularidade climática como o desta nova safra”, comenta o economista e líder de conteúdo da consultoria, Flávio Roberto de França Junior.

Custos de produção

Os custos operacionais de produção da safra 2023/24 nos três principais estados produtores do Brasil, Mato Grosso, Paraná e Goiás, devem registrar expressiva retração. No entanto, vale considerar que essa redução acontece ante uma base muito elevada, após fortes aumentos nas safras 2021/22 e 2022/23.

“De saldo, temos a diminuição de gastos com insumos e alguma retração no padrão da taxa de câmbio na temporada; por outro lado, o aumento expressivo nos custos fixos”, destaca França Junior.

Porém, no lado limitante, a análise da Datagro considera expectativa de produtividade média razoável, mas abaixo da do ano passado. Mesmo com o bom nível tecnológico dos produtores de soja, a influência de um fenômeno El Niño de forte intensidade vem trazendo impactos devido à irregularidade das chuvas, com excesso de precipitações no Centro-Sul e escassez no Centro-Norte.

Receita dos produtores de soja

Monte de soja em grão formando mapa do Brasil. Sobre ele, três notas de 50 reais. Ao redor, moedas de diversos valores
Foto: Daniel Popov/ Canal Rural

Em relação às tendências de receita, a sinalização inicial aponta para preços domésticos aquém dos excepcionais valores observados de 2020 a 2023, mas provavelmente superior às mínimas deste ano.

Caso a projeção de lucratividade bruta positiva se concretize, será o 18º ano consecutivo de avanço na renda de soja no Brasil.

“A princípio temos sinalizações não muito distantes dos também interessantes resultados de 2023, embora abaixo dos excepcionais números de 2020, 2021 e 2022. Com indicação de cenário um pouco melhor de preços domésticos e custos de produção bem menores, mas com produtividades comprometidas”, avalia França Junior.

De acordo com a Datagro, as principais variáveis que podem interferir nas projeções de forma mais intensa são:

  • O comportamento do clima na América do Sul nos próximos meses;
  • O andamento da economia global e o encaminhamento da economia brasileira;
  • A evolução do conflito no Leste Europeu;
  • A definição da safra de 2024 nos Estados Unidos.

Além disso, o líder de conteúdo da empresa destaca o controle definitivo da inflação e as preocupações com o equilíbrio das contas públicas no Brasil como questões que também podem interferir no cenário.